Atenção Ao Nosso Comportamento Embaraçoso
Home / Adultos / Atenção ao Nosso Comportamento Embaraçoso

Atenção ao Nosso Comportamento Embaraçoso

Nós portadores de deficit de atenção e hiperatividade muitas vezes não percebemos que estamos a fazer uma cena até ser tarde demais.

Isto pode enfurecer e embaraçar os nossos parceiros.

Outros casais parecem ser a equipa perfeita em funções sociais.

Eles enviam sinais na sua própria frequência e evitam o desconforto um do outro em vez de entrarem em discussão.

Porque será que não podemos ser mais como eles?

Em vez de nos bater por não nos tornarmos alguém que não somos, precisamos de aprender a nossa própria versão do jogo social.

Por exemplo: sugestões sutis não ditas muitas vezes iludem-nos.

As habilidades sociais que parecem vir naturalmente para os outros podem exigir aprendizagem e prática.

Também precisamos de desenvolver esses sinais: formas discretas de atirar uma bandeira para o campo e alertar uns aos outros para o mau comportamento do deficit de atenção e hiperatividade.

Porque é que os parceiros da deficit de atenção e hiperatividade têm uma responsabilidade social tão grande?

Distração, impulsividade e comportamentos de busca de estímulos transformam-nos em bombas relógio ambulantes em eventos sociais.

As interações entre adultos maduros requerem frequentemente atenção, auto consciencialização e contenção.

Podemos até assumir que estas qualidades definem a idade adulta, como se todos nós crescêssemos naturalmente.

No entanto, estas são habilidades e não traços.

Muitos portadores de deficit de atenção e hiperatividade não crescem com elas.

Às vezes esquecemos que a subtileza existe…

Por qualquer razão, muitos portadores de deficit de atenção e hiperatividade são alheios a sugestões sociais estabelecidas.

Isto pode vir da distração, hiperfoco… ou uma combinação dos dois.

Ficamos tão envolvidos no que estamos a pensar ou a dizer que nos esquecemos completamente de “ler a sala”.

A socialização também requer muito foco.

Fico tão nervoso ao tentar gerir as Conversas Básicas – isto é, falar e ouvir – que me esqueço de parar e avaliar as reações dos outros em relação a mim.

Quando ignoramos pistas como a linguagem corporal, expressões faciais ou sugestões verbais passivas, arriscamo-nos a fazer uma bola de neve numa falsa paz social.

Para o parceiro que está ao nosso lado a receber estes sinais em alto e bom som, isso pode ser mortificante.

… mas outras vezes, nós auto medicamos a nossa saída do tédio.

Os eventos sociais crescentes podem ser pouco estimulantes ou apenas aborrecidos para os portadores de deficit de atenção e hiperatividade.

Quando nos sentimos pouco estimulados, temos tendência para nos auto medicarmos.

Álcool, conflito e comportamento inapropriado dão aos nossos cérebros um pouco de impulso à dopamina. Infelizmente, muitas vezes vem às custas de outra pessoa.

Por exemplo: antes do seu diagnóstico de deficit de atenção e hiperatividade, o meu marido envergonhava-me em frente às outras pessoas como desporto.

Quer Receber Notícias, Dicas & Estratégias Sobre o Deficit de Atenção e/ou Hiperatividade?

Ajuda Para Aprender a Lidar Com o Deficit de Atenção e a Hiperatividade

Quando eu inevitavelmente me aborreci com os seus insultos inapropriados e a sua partilha excessiva, ele acusou-me de falta de sentido de humor.

Para ser clara: este comportamento desmente totalmente o verdadeiro caráter do meu marido. Desde que foi diagnosticado com deficit de atenção e hiperatividade e iniciou a medicação, ele não faz mais isso e sente-se muito mal com o seu comportamento passado.

Muitas pessoas pensam que os medicamentos para deficit de atenção e hiperatividade nos ajudam a concentrar no trabalho ou na escola, e não precisamos deles durante as chamadas horas de folga.

Não é verdade. Estes medicamentos aumentam o nível básico de estimulação do nosso cérebro.

Aumentar essa linha de base ajuda-nos a fazer o nosso trabalho, mas também apoia um comportamento social apropriado.

E não me refiro a uma conformidade sem alma.

Refiro-me a um comportamento que se alinha com os nossos próprios valores e desejos.

Para mim isto significa tratar os outros com respeito, consideração e empatia.

Significa falar para agregar valor à conversa, e não como uma forma de se mexer.

Quer tome ou não medicação para a deficit de atenção e hiperatividade, é importante aprender como os comportamentos automedicados podem ter impacto nos nossos relacionamentos.

Precisamos de assumir a responsabilidade pelo impacto do nosso deficit de atenção e hiperatividade nas situações sociais.

Já ouvi isso antes e tu também já deves ter ouvido: Os portadores de deficit de atenção e hiperatividade dão a vida à festa, certo?

Bem, às vezes.

Alguns de nós temos a reputação de ser divertidos ou despreocupados.

Pessoalmente, sempre me inclinei mais para a ansiedade e para a sobrecarga, mas percebo isso.

As pessoas com deficit de atenção e hiperatividade, especialmente as mais extrovertidas entre nós, podem realmente começar a festa.

Isto pode tornar-se menos apelativo quanto mais longe formos na idade adulta.

Comportamentos que podem ter parecido engraçados, divertidos ou descarados no início dos nossos 20 anos podem parecer dolorosos, imaturos ou desagradáveis mais tarde na vida.

Outros esperam poder contar connosco como pais, cônjuges e profissionais.

E esperamos que os nossos colegas adultos nos levem a sério.

Em outras palavras, chegamos a um ponto em que precisamos reinar.

A autoconsciência manchada e o baixo controlo de impulsos podem tornar difícil reinar por nossa conta.

É aqui que um cônjuge (ou um parceiro de confiança) pode ajudar-nos a fingir até o fazermos.

Bandeira no campo: deixe o seu parceiro alertá-lo sobre o mau comportamento

A pessoa ao seu lado pode ser o seu melhor aliado social.

Eles verão coisas que você sente falta e o ajudarão a aprender a reconhecer quando estiver a fazer aquilo novamente.

Eu recomendo um sinal claro – algo que só vocês dois entenderão – para alertá-lo sobre os comportamentos problemáticos. Aqui estão algumas dicas que aprendi ao longo dos anos:

  1. Certifique-se de que a ajuda é oferecida e aceite.
    A bagagem emocional de diagnósticos tardios e fracassos sociais passados pode-nos tornar hipersensíveis às críticas. Muitas vezes percebemos isso como rejeição, especialmente vindo de um parceiro romântico. Você não pode forçar alguém a aceitar a sua ajuda ou conselho. O portador de deficit de atenção e hiperatividade e o parceiro devem ambos concordar que o comportamento é um problema e expressar o desejo de que precisa de ajuda para indicá-lo.
  2. Torná-lo explícito e intencional (não deixe espaço para dúvidas).
    O meu marido passou anos a acotovelar-me ou a pontapear-me debaixo da mesa só para me fazer parar a conversa gritando: “O quê!?” As deficiências que nos colocam na água quente social, em primeiro lugar, fazem com que seja pouco provável que apanhemos as suas dicas subtis sobre o assunto. Concorde antecipadamente com o seu sinal. Torne-o específico e facilmente reconhecível. Talvez até queiram praticar em casa só os dois.
  3. Use humor quando puder.
    Há anos, algo me provocou durante o jantar com o meu marido. Eu bati com o punho na mesa com tanta força, que vários meses de migalhas foram expulsas da fenda onde as tábuas se juntam. Depois de um silêncio tenso, nós dois rimos até que as bochechas doessem. Durante muito tempo depois disso, o meu marido dava-me um olhar significativo e fazia um punho na palma da mão aberta para me avisar quando eu estava a exagerar. A lembrança engraçada sempre me ajudou a desanuviar a situação.
  4. Trabalhar numa coisa de cada vez.Não crie um vocabulário completo de linguagem gestual para sinalizar todos os problemas que já o fizeram revirar os olhos. Além de nos fazer sentir que não podemos fazer nada certo, a maioria dos portadores de deficit de atenção e hiperatividade não consegue manter tantas coisas na cabeça ao mesmo tempo. Vamos ficar sobrecarregados e tudo vai por água abaixo. Escolha uma prioridade – digamos, partilhar em excesso, falar alto, ou exceder o tempo de boas-vindas nos jantares – e use o seu sinal para ajudar a desenvolver a autoconsciência em torno disso. Quando tiver experimentado algum sucesso, aproveite essa nova confiança para abordar a próxima prioridade.
  5. Verifica os egos à porta.Se queremos resolver os problemas que a deficit de atenção e hiperatividade criou na nossa vida adulta, precisamos de ser realistas connosco mesmos. O deficit de atenção e hiperatividade afeta o nosso comportamento e as nossas perceções. Embora às vezes possa doer ter alguém a apontar isso, temos de aprender a aceitar ajuda e apoio.
  6. Seja compassivo.
    Por essa mesma razão, nunca use um sinal para repreender ou criticar. Use-o para ajudar e apoiar. Um ataque pessoal percebido colocará a outra pessoa na defensiva e degradará a sua confiança em si. Não só isso – e admito que esta é a minha opinião pessoal aqui – o desprezo é talvez a pior toxina que se pode introduzir num casamento. Evite-o a todo o custo.

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *